Portal da Água

Valor da Água

A relação individual de cada um de nós com a água, nas sociedades tecnologicamente mais avançadas, está de tal modo impregnada nos hábitos e comportamentos quotidianos que quase não tomamos consciência da sua importância, a não ser quando nos deparamos com falta de água nas torneiras, nos poços ou nos furos, nas barragens e noutros locais.

Todos sabemos que a água tem muito valor. Mas quanto vale a água ao certo?

Uma boa pergunta – com muitas respostas…

  • Uma só folha de papel custa 10 litros de água a fazer.
  • Um café, 140 litros.
  • Um computador, 400 litros.
  • Um telemóvel, 900 litros.
  • Um par de sapatos, 8500 litros.
  • Um automóvel, 400 000 litros.

Conseguimos calcular o custo de tudo - exceto o de um futuro sem água.

Quanto vale a água neste contexto?

Vale tudo. Vale o futuro.

Segundo as Nações Unidas, um ser humano precisa de 110 litros de água por dia. Em Portugal, gastamos 187.

Na Cidade do Cabo, na África do Sul, cada pessoa só pode consumir 50 litros de água por dia. Em Portugal, gastamos entre 45 a 180 num só duche.
Quanto vale a água? Vale uma vida humana, todos os dias.

 

70% da Terra é água, mas só 1% é água doce acessível ao ser humano.

21 das 37 grandes reservas subterrâneas de água estão a esvaziar-se a um ritmo alarmante.

A manter-se o atual ritmo de consumo, em 2025 não haverá água para que a agricultura produza o suficiente para alimentar toda a população mundial.
Quanto vale a água? É tudo o que bebemos. E tudo o que comemos.

 

Não podemos controlar as condições climatéricas e sabemos que tendem a ser cada vez mais adversas. Em Portugal, as autoridades estão a tomar medidas para que façamos um uso cada vez mais inteligente da água. Mas isso não basta. Cada um de nós tem de fazer a sua parte.

A sustentabilidade da água é uma questão climatérica e uma questão política, mas é, acima de tudo, uma questão de cidadania.
Faça chuva ou faça sol – faça um uso responsável da água.

 

 

A melhoria da eficiência hídrica é necessária porque:

  • É um imperativo ambiental: a água é um recurso limitado que é necessário proteger, conservar e gerir para garantir a sustentabilidade dos ecossistemas e dos serviços que estes proporcionam à sociedade em geral e para garantir a sustentabilidade de outros recursos intrinsecamente associados;
  • É uma necessidade estratégica: o aumento das disponibilidades e das reservas de água no País é fundamental;

 

Corresponde a um interesse económico a diversos níveis:

  • Nacional - desperdícios de água representam uma “deseconomia” para o País;
  • Empresarial – a água é um importante fator de produção;
  • Entidades gestoras da água - permite maior racionalidade dos investimentos;
  • Consumidores - permite uma redução dos encargos com a água;
  • Constitui uma obrigação do País, em termos de normativo nacional e comunitário;
  • É um imperativo ético: a água é fundamental para a vida, precisa de ser gerida tendo em conta as gerações seguintes.

in PNUEA – Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água

República Portuguesa Águas de Portugal